segunda-feira , 24 julho 2017

Home » Notícias » Em audiência interativa, professor defende projeto Escola Sem Partido

Em audiência interativa, professor defende projeto Escola Sem Partido

31 maio, 2017 - 12:08 Categoria: Notícias, Observatório da Família Deixe um comentário A+ / A-

img201705301717536227342

Como forma de tornar o debate ainda mais democrático, a comissão especial Escola Sem Partido, em audiência pública nessa terça-feira (30/05), promoveu uma ampla discussão sobre o projeto de lei e o ensino brasileiro, com a presença do especialista Orley José, e a interação do público, por meio do canal E-Democracia, da Câmara dos Deputados.

A proposta, de autoria do deputado Erivelton Santana tem como objetivo principal coibir a doutrinação ideológica em sala de aula – um dos principais problemas relatados por especialistas em educação e estudantes. Em essência, o texto torna obrigatória a fixação de cartaz em sala de aula explicitando os deveres atribuídos aos professores. Entre eles, de não promover propaganda político-partidária em sala de aula, e de respeitar os valores morais dos alunos e seus familiares.

Segundo Orley José, professor do Ensino Fundamental em Goiânia e mestre em Letras e Linguística, os livros didáticos da primeira etapa do ensino fundamental trazem doutrinações políticas e religiosas para as crianças. De acordo com ele, os livros destinados a crianças de 6 a 10 anos de idade estão repletos de textos induzindo a simpatia por movimentos sociais, como o dos Sem-Terra. Ele também afirmou que os livros privilegiam ideologias políticas de esquerda.

As obras foram adotadas pelo Programa Nacional do Livro Didático para o triênio de 2016 a 2018 e são utilizadas pela rede pública de todo o País e por algumas escolas particulares.

O professor, que também é doutorando em ciências da religião, afirmou ainda que, apesar de concordar com o ensino da cultura africana nas escolas, não concorda com a forma como é feita.

“É um ensino que não leva em consideração a multiplicidade étnica do continente africano e nem a multiplicidade cultural do próprio negro brasileiro. É um ensino que se dedica prioritariamente ao candomblé e à umbanda”, disse.

Segundo Orley José, o problema não é nem o fato dessas religiões estarem sendo ensinadas, mas o pretexto de serem elemento cultural. “Porque outras religiões, como o cristianismo, por exemplo, são suprimidas, não têm essa mesma vantagem”.

O debate contou com a participação do público por meio do E-Democracia, e também dos canais oficiais da Câmara dos Deputados no Youtube, e da Comissão Especial no Facebook. As perguntas foram encaminhadas à Mesa, que distribuiu para que os deputados e o professor convidado fizessem seus esclarecimentos e ponderações.

Direito à informação

Uma das poucas vozes destoantes, a deputada Professora Marcivânia (PCdoB-AC) afirmou que não vê doutrinação nas escolas. Ela disse que os jovens têm direito à informação e que a comissão especial está defendendo um discurso conservador e discriminatório.

“A escola é um ambiente fundamentalmente de liberdade, no qual os alunos devem se sentir cidadãos. E eu não vejo, sinceramente, essa politização”, avaliou.

Os deputados Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) e Lincoln Portela (PRB-MG) criticaram a fala da deputada. Segundo Portela, “a esquerda brasileira usa, há anos, as escolas para doutrinar crianças e adolescentes e, por isso, é necessária uma ação para reverter o quadro”.

Unesco

Escola Sem Partido (2)No início da reunião, o presidente da comissão especial, deputado Marcos Rogério, esclareceu que outros dois convidados cancelaram a participação na véspera da reunião. “Os dois convidados, de última hora, informaram que não poderão comparecer a audiência, o que inviabilizou o convite para outros expositores. Esta presidência lamenta, especialmente a desistência da representante da Unesco, que pela segunda vez deixa de atender ao convite desta comissão. Enquanto a entidade se recusa a comparecer a esse fórum para promover o debate, pessoas ligadas ao órgão, por desconhecer o projeto, divulgam de forma irresponsável posicionamentos que subestimam e prejudicam os trabalhos deste colegiado”, disse.

O relator do projeto, deputado Flavinho (PSB-SP), também criticou a ausência de um representante da Unesco nos debates. A instituição já se manifestou, por meio da imprensa, contrária ao projeto, mas cancelou pela segunda vez sua participação nos debates.

 

 

Com informações da Agência Câmara

Em audiência interativa, professor defende projeto Escola Sem Partido Reviewed by on . Como forma de tornar o debate ainda mais democrático, a comissão especial Escola Sem Partido, em audiência pública nessa terça-feira (30/05), promoveu uma ampla Como forma de tornar o debate ainda mais democrático, a comissão especial Escola Sem Partido, em audiência pública nessa terça-feira (30/05), promoveu uma ampla Rating: 0

Deixe um Comentário

PDT Nacional Ji-ParanáCamara dos DeputadosSenado FederalGoverno de Rondônia
voltar ao topo