terça-feira , 17 julho 2018

Home » Notícias » Senado analisa substitutivo de Marcos Rogério ao projeto que institui Política Nacional de Doenças Raras

Senado analisa substitutivo de Marcos Rogério ao projeto que institui Política Nacional de Doenças Raras

26 abril, 2018 - 2:06 Categoria: Notícias, Projetos Relatados Deixe um comentário A+ / A-

Tramita no Senado o substitutivo do deputado federal Marcos Rogério (DEM-RO) ao PL 1606/2011, que institui no âmbito do SUS uma política nacional para o atendimento de pessoas com doenças raras.

A proposta estabelece uma série de diretrizes para o atendimento de pessoas com doenças graves e raras, desde a assistência médica, farmacêutica, até o fornecimento de órteses, próteses e outros meios auxiliares de locomoção, internação, bem como o atendimento ambulatorial adequado às necessidades do paciente.

O Projeto de Lei obriga o governo a fornecer medicamentos prescritos para o tratamento de doenças raras e graves, ainda que não constem no rol de medicamentos excepcionais do Sistema Único de Saúde. Também assegura a todos os pacientes o acesso ao tratamento de saúde.

Segundo o relator, deputado Marcos Rogério, se a proposta virar lei, os governos federal, estaduais e municipais terão até três anos para estabelecer a rede nacional de cuidados ao paciente.

“Nós temos cerca de 13 milhões de brasileiros que são atingidos por doenças raras e que sofrem muito porque não há uma rede de atenção para essa parcela da sociedade. O projeto cria uma política nacional de enfrentamento às doenças raras. Não é uma solução, mas um caminho de acesso para o diagnóstico precoce. E, para aqueles casos em que o tratamento é possível, (vamos) garantir esse tratamento. Quando não se tem a possibilidade do tratamento curativo, o projeto prevê a obrigação de o Estado fornecer medicamentos paliativos, que minimizem o sofrimento dessa pessoa”, apontou.

Pela proposta, a política nacional para doenças raras será implementada tanto na atenção básica à saúde quanto na atenção especializada. A primeira ficaria responsável pela tentativa de identificação precoce da doença, no pré-natal ou em recém-nascidos, enquanto a segunda responderia pelo acompanhamento especializado multidisciplinar do paciente. Cada estado deverá estruturar pelo menos um centro de referência, aproveitando, preferencialmente, a estrutura de uma universidade ou hospital universitário. Marcos Rogério garante que é possível montar essa rede mesmo diante dos problemas econômicos do país.

“Recurso tem. Ele precisa ser melhor gerenciado e melhor gasto para enfrentar as doenças e o sofrimento das pessoas. O que não se pode é, sob o argumento de um orçamento menor, deixar de atender a quem precisa. Não há interesse de mercado, a pesquisa é menor e os medicamentos disponíveis são absolutamente caros e de difícil acesso. Então, é preciso que o Estado brasileiro ofereça esse atendimento”.

O texto já foi aprovado pela Câmara dos Deputados e está sob análise do Senado Federal.

Senado analisa substitutivo de Marcos Rogério ao projeto que institui Política Nacional de Doenças Raras Reviewed by on . Tramita no Senado o substitutivo do deputado federal Marcos Rogério (DEM-RO) ao PL 1606/2011, que institui no âmbito do SUS uma política nacional para o atendim Tramita no Senado o substitutivo do deputado federal Marcos Rogério (DEM-RO) ao PL 1606/2011, que institui no âmbito do SUS uma política nacional para o atendim Rating: 0

Deixe um Comentário

PDT Nacional Ji-ParanáCamara dos DeputadosSenado FederalGoverno de Rondônia
voltar ao topo